Futuros Possíveis/ Possible Futures

Arte, Museus e Arquivos Digitais

Ars Wild Card – Possible Futures is a smartphone application, that was actually developed in order to outsource the documentation of exhibition and activities of Ars Electronica’s Export division to the visitors via photos and comments.

For this special conference Ars Electronica extended the project, not only to act as a lively archive system,  but rather to focus on illustration of information due to a special topic. In order to participate, speakers and audience at the conference can download the app (Apple Store / Google Play Store) and can participate via QR codes that are provided onsite.

Interested people worldwide can follow the symposium live via Ars Wild Card, here in our blog and via our Facebook Page.


Deixe um comentário

Alugadores de Memórias Alheias / Other’s Memories Renters

A prática cotidiana cada vez mais comum do esquecimento de pequenos dados pessoais, tais como número de telefone e e-mail, proporcionada pelos sistemas operacionais de telefones celulares em “nuvem” ofertados pelas grandes operadoras de dados globais, tem operado uma reviravolta na maneira como lidamos com nossas próprias memórias. Se o digital antes era tido como nossa salvação em termos de arquivamento, hoje vivemos os paradoxos ligados à essa massificação de seus usos. Empresas como a Amazon e a Apple Store, por exemplo, não permitem que alguém possa herdar uma “coleção” de livros ou músicas compradas através de suas bases de dados, já que legalmente a conta do usuário é pessoal e intransferível, ou seja, morre com ele. De que maneira lidar com essa nova condição de “alugadores de memórias alheias”?
/
The increasingly forgetfulness of small personal data in our evereyday life, such as telephone numbers and e-mails, made possibleby the operating systems of mobile phones that work based in the “cloud” and that are offered by major global data admins, has operated a turnaround in the way we deal with our own memories. The digital was thought as our salvation in terms of archiving,but today we live all the paradoxes associated with the massification of its uses. Companies like Amazon and Apple Store, for example, do not allow anyone to inherit a “collection” of books or songs purchased through its databases, since legally the user account and personal data are nontransferable, i.e. dies with its owner. How to deal with this new “other’s memories renters” condition?

Cicero Silva


Deixe um comentário

A memória da informação em rede: o poder do usuário / The Networked Information Memory: The User Power

Desde a consolidação do que denominamos Web 2.0 – a rede digital de plataformas de interação e conversação entre usuários, abrigando as redes sociais – tem-se clara a emergência da figura de um usuário cada vez mais autônomo em seu processo de construção do conhecimento. Além disso, tal autonomia reforça o caráter bidirecional da web, diluindo as fronteiras entre emissores e receptores, e quebrando com a tradicional hierarquia linear da comunicação.

Assistimos a um processo de produção, distribuição e absorção de conteúdos informativos na rede que ocorre por meio do chamado usuário-mídia, onde todos podem gerar, transmitir, comentar, ampliar ou rejeitar a informação que circula na rede. Nesse cenário, o valor da informação, sua respectiva credibilidade, sua amplitude e sua preservação ficam vinculados ao próprio capital intelectual do usuário e da posição que o mesmo ocupa na rede.

Com isso, a competência informativa de cada usuário passa a depender da posição que ocupa nos ambientes de relacionamento digital, do percurso que o mesmo traça para acesso a informações e conteúdos, e principalmente, de sua capacidade de construção de memória e conhecimento a partir de sua interação com a rede.

Colocamos em discussão: qual o papel dos tradicionais produtores de informação – a mídia em geral e a imprensa em particular – num cenário de inteligência distribuída? Como resulta a relação de poder na rede neste cenário de usuários-mídia?

/

Since the consolidation of what we call Web 2.0 – the net of digital platforms of interaction and conversation among users, housing social networks -, the emergence of the figure of the user has become increasingly autonomous in their process of knowledge construction. Moreover, such autonomy reinforces the bidirectional character of the web, diluting the boundaries between senders and receivers, and ending the traditional linear hierarchy of communication.

We are witnessing a process of production, distribution and absorption of information content on the net that occurs through the so-called user-media, where everyone can create, transmit, comment, extend or reject  information circulating in the internet. In this scenario, the value of information, its respective credibility, its amplitude and its preservation are linked to the users’ own intellectual capital and the role that they play in the internet.

Thus, the informative competence of each user becomes dependent on the position he/she occupies in digital environments relationship, the route that traces access to information and content, and most importantly, his/her ability to build memory and knowledge from their interaction with the net.

We would like to discuss: what is the role of the traditional producers of information – the media in general and the press in particular – in a scenario of distributed intelligence? How does it intervene in the power relation in the internet in this scenario of media-users?

Beth Saad


1 comentário

Beth Saad

Beth Saad (Elizabeth Nicolau Saad Corrêa) é estrategista web e desde 1993 atua com foco na comunicação digital, mídias sociais e tecnologias de informação aplicadas à comunicação. É Professora Titular do Departamento de Jornalismo e Editoração da ECA-USP, nos cursos de graduação e pós-graduação, e pesquisadora no campo da comunicação digital e tecnologias de informação aplicadas á comunicação. Doutora em Ciências da Comunicação ECA/USP. Graduada e Mestre em Administração de Empresas – FEA/USP.

Coordena o curso de pós-graduação lato sensu DIGICORP – Gestão da Comunicação Digital Integrada em ambientes Corporativos; e o grupo COM+ – Grupo de Pesquisa em Comunicação, Jornalismo e Mídias Digitais. É autora de artigos em jornais e revistas da área, alem de periódicos acadêmicos. Seus mais recentes livros são Estratégias 2.0 para a Mídia Digital: internet, informação e comunicação, Editora SENAC-SP; e o e-book Curadoria da Informação e o Campo da Comunicação, em lançamento.

/

Elizabeth Nicholas Saad Corrêa is web strategist since 1993 and operates with a focus on digital communication, social medias and information technologies applied to communications. She is professor of the Department of Journalism and Publishing at ECA USP, in undergraduate and graduate courses, and a researcher in the field of digital communication and information technologies applied to communication. She holds a PhD in Communication Sciences (ECA USP), and has Bachelor’s and Master in Business Administration (FEA USP).

She coordinates the course of post-graduation lato sensu DIGICORP – Digital Integrated Communication Management in Enterprise environments, and COM + – Group of Research in Communication, Journalism and Digital Media. She is the author of articles in newspapers and journals in the area, in addition to academic journals. Her most recent books are Strategies for Digital Media 2.0: Internet, information and communication (SENAC-SP), and the ebook Curation of Information and Communication Field, to be launched.


1 comentário

Cicero Silva

Pesquisador e professor na área de tecnologias digitais, mídias e coordenador do Grupo de Software Studies no Brasil. É Pesquisador Associado ao Center for Research in Computing and the Arts (CRCA) na Universidade da Califórnia, San Diego (UCSD). Seu mais recente trabalho artístico dialoga com os processos de espacialização e localização. Desenvolvido em parceria com Brett Stalbaum, o sistema walkingtools.net e o software HiperGps são ferramentas de produção em software livre de arte tecnológica para celulares. Atualmente coordena no Brasil a pesquisa Culturevis (http://culturevis.com) e o projeto Software Studies Brasil. http://www.cicerosilva.com/

Researcher and professor of new media art and digital communication. Cicero coordinates the Software Studies Group in Brazil. His latest projects on locative media are the GPSface website and the GPSart (GPSarte) at http://www.gpsart.net. The aim of these projects is investigate new forms of social participation using Global Position System (GPS) and also develop an online wireless community using cell phones with GPS. Currently he is Associate Researcher in the Center for Research in Computing and the Arts (CRCA) at University of California, San Diego (UCSD) and director of the studio witz, a new media studio based in São Paulo/Brazil. http://www.cicerosilva.com/


Deixe um comentário

Esquecimento e conveniência / Oblivion and convenience

A apresentação parte de um estudo de casos que fazem ecoar questões em torno dos supostos mecanismos que produzem certa obsolescência institucional e tecnológica observada nas sociedades hoje.

Dentre os casos a serem comentados, está o do acervo online da Casa das Rosas. Entre os anos de 1995 a 2000, a Casa das Rosas desenvolveu uma atividade pioneira, não apenas no que se refere à inclusão dos meios digitais como prática cultural como foi um dos primeiros espaços que utilizou a Internet como um campo de desenvolvimento de exposições e projetos artísticos, criando um diálogo até então inédito entre os acontecimentos nos espaços físicos e o ambiente virtual. O legado da Casa das Rosas constituído em cerca de 5 anos de atividades intensas na Internet (que naquele momento ainda engatinhava), talvez fosse hoje motivo de orgulho das ações do estado na cultura envolvendo mídias digitais. Espaço único no país naquele período, era respeitado por instituições como a Rhizome (EUA), Banff Center (Canada), V2 (Holanda) e Telepolis (Alemanha), tendo ocorrido colaborações importantes. Suas atividades foram cessadas de forma abrupta, o que colocou um fim em seu acervo online, justamente quando estas práticas se faziam relacionar com outras formas mais estáveis e mais amplamente aceitas de arte.

A discussão proposta envolve uma dimensão da tecnologia inevitavelmente pontuada por aspectos ideológicos e sociais – direcionados por vetores transitórios e/ou de oportunidade mercadológica.

Se uma manifestação cultural não é compreendida dentro dessa amplitude, ela pode ser sequestrada pelos seus meros aspectos estético-fetichistas mais aparentes – ou reduzidas a uma funcionalidade modernista. Colocar iniciativas artísticas dentro desse baú à deriva, se revela ideológico, de interesse conservador, ou de fato, uma estratégia de manutenção de poderes no campo da arte.

Interessa identificar os motores de um processo que gera obsolescências reincidentes e novos anacronismos. Parece soar Fala-se em apagamento.

As operações de apagamento hoje se dão dentro da lógica do copy & paste. Talvezos processos tecnicistas que regem as práticas do trabalho hoje estejam migrando para a cultura com rapidez maior do que pensamos, e a memória desses processos se esvai em ritmo similar. O que ontem era considerado uma atividade “de ponta”, reverte-se inevitavelmente num estado de coisas permeado pelo incômodo e pela conveniência ao esquecimento.

Lucas Bambozzi

<div style=”margin-bottom:5px”> <strong> <a href=”http://www.slideshare.net/futuros_possiveis/arquivo-museus-casadasrosas-rede-notes&#8221; title=”Lucas Bambozzi – Esquecimento e conveniência / Oblivion and convenience” target=”_blank”>Lucas Bambozzi – Esquecimento e conveniência / Oblivion and convenience</a> </strong> from <strong><a href=”http://www.slideshare.net/futuros_possiveis&#8221; target=”_blank”>Simposio Internacional Futuros Possíveis | International Symposium Possible Futures</a></strong> </div>